domingo, 19 de abril de 2009

"Esperando o Sucesso": um quadro bem actual


Fui fazer uma visita de estudo com alunos do 3º ciclo, ao Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, para lhes dar a conhecer as obras notáveis que aí existem e que tanto representam o que de bom Portugal produziu e vai produzindo.

Fiquei encantada com os quadros, os pintores, as esculturas, as faianças, a ourivesaria e tantos outros aspectos que não vêm agora ao caso.

Ora, numa das salas, pude observar os trabalhos de um pintor para mim totalmente desconhecido, mas que me chamou a atenção. Ninguém deu por isso, mas comentei com a colega de História que aquele quadro que representava um menino com um desenho na mão, bem ao estilo infantil, simples, esquelético e apenas com uns traços representativos de um ser humano deveria significar algo. Fiquei intrigada e tentei documentar-me, já em casa, sobre este pintor e o quadro.

O pintor, Henrique Pousão e o quadro tinha o título de "Esperando o Sucesso". Logo este título me espevitou o olhar e a observação mais aturada.

É assim que nasce a investigação: da curiosidade. Ainda bem. Fiquei a gostar ainda mais.

"Esperando o Sucesso", obra realizada em Roma, em 1882, representa o interior do ateliê do pintor onde o modelo, uma figura popular de rapazinho romano, num momento de pausa da função de posar, exibe um desenho infantil. Ao fundo, vê-se uma representação imediata, primitiva ou inocente de um corpo humano.

Esta pintura, de 1882, é bem actual. Na minha opinião, é do desejo de alcançar o sucesso que tudo progride (desde que não seja nada de exagero e de atropelos a ninguém). Nada melhor para os nossos alunos e jovens observarem e reflectirem. Não basta esperar, é preciso agir e deitar mãos à obra, ou seja, estudar, trabalhar, esforçar-se para ter um dia o almejado sucesso. Não foi por acaso que Henrique Pousão, nascido a 1 de Janeiro de 1858, pintou este menino. Era ele próprio; o semblante envergonhado e o desenho que exibe querem transmitir-nos essa ideia: "eu vou conseguir ser um talento, desejo-o e estou a trabalhar para isso".

Este génio da nossa pintura, morreu muito jovem, apenas com 25 anos. Possui muitos outros e venho a descobrir que o meu gosto por este quadro tinha a sua razão de ser. Não sou só eu que o aprecio. Há muitos críticos e estudiosos de arte que o têm feito e este é o ano em que se estão a festejar os 150 anos do nascimento deste pintor, natural de Vila Viçosa.

Convido-vos a visitar a exposição deste pintor até ao dia 18 de Junho no Museu Soares dos Reis e, com toda a certeza, irão descobrir outros quadros bem expressivos e com aspectos interessantes da vida e das gentes portuguesas. Vale a pena apreciar e reflectir no porquê dos temas, das cores, das formas e dos pormenores. A arte ensina, educa e aproxima-nos. O sentido estético também se educa e não é efémero.

2 comentários:

Cristina Bernardes disse...

Obrigado Isilda por mais esta divulgação. A pintura é um meio de aprendizagem e de reflexão para todos nós e sobretudo para os nossos alunos.

Lídia disse...

Ora, aqui estou eu, de regresso! Andei muito atarefada, por outras paragens, mas já voltei às raízes. Confesso que já tinha saudades da nossa Floresta e das nossas partilhas... E não podia ter melhor recepção! Ao abrir o blogue, deparei com o título "Esperando o Sucesso",acompanhado da imagem de um quadro. Fiquei curiosa e li o comentário com avidez e prazer. O quadro espevitou o teu olhar e, de seguida, tu espevitaste-nos a curiosidade. Obrigada, por tudo o que partilhaste connosco. Como muito bem dizes, a investigaçaõ nasce da curiosidade e tu tens alma de investigadora e a capacidade de contagiares os outroscom os resultados das tuas investigações. Aceito, com muito prazer, o convite para visitar essa exposição e concordo plenamente contigo: "O sentido estetico também se educa e não é efémero."
Adorei o comentário, está excelente!

Lídia Valadares