quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Pedagogia da convivência

Tenho andado fugida, eu sei... muitas desculpas por isso... muitas são as obras que tenho lido mas todas elas de carácter académico... sempre que possa vou tentar voltar a este espaço para deixar algumas sugestões dessas leituras mais do que algumas reflexões...
Beijos para todos.

Pedagogia da Convivência
Uma obra relevante... aconselho a sua leitura.

Autor: Xesús R. Jares

ISBN: 978-972-8562-43-4
pp. 246

"Este livro surge da experiência pessoal do autor como professor, formador de formadores, criador e coordenador de programas de convivência, investigador, mediador e pai. É, pois, um livro que tem por base a experiência reflexiva, a investigação e a intervenção em diferentes contextos educativos. Livro destinado fundamentalmente aos professores de todos os níveis educativos, aos pais e às mães, Pedagogia da Convivência é um convite ao dialogo, à reflexão critica e à intervenção global sobe um tema essencial para o nosso modelo educativo e social, ao mesmo tempo que tenta demonstrar que é possível e necessário educar para a convivência a partir de critérios democráticos. O primeiro capítulo indaga sobre os marcos e conteúdos da pedagogia da convivência – respeito, direitos humanos, ternura, dialogo, solidariedade, perdão, esperança, etc. –, assim como sobre os seus factores desagregadores – o ódio, os maniqueísmos, os fundamentalismos, o medo, etc. –. No segundo, expõem-se os principais resultados da investigação “Conflito e convivência nas centros educativos do secundário (1)”, que pretende responder a duas perguntas fundamentais, de que forma professores e alunos percepcionam as situações de convivência e de violência nas suas escolas? E que estratégias e espaços reconhecem como serem utilizados para melhorar estas situações?

Os capítulos que se seguem situam-se no âmbito das propostas e experiências. No terceiro apresentam-se, a partir de uma perspectiva global e integrada, diversas propostas para as diferentes campos da acção escolar. No quarto aborda-se a experiência relativa à criação do serviço de mediação numa escola secundária (1). O quinto e último capítulo é dedicado ao papel das famílias na educação para a convivência. Nesse mesmo capítulo se coloca a questão sobre as razões do desencontro família - escola, os erros cometidos na educação familiar e se apresentam algumas propostas para converter as famílias no primeiro laboratório de resolução não violenta de conflitos desde os primeiros anos de idade".

segunda-feira, 12 de julho de 2010

LIBERDADE

Ai que prazer
não cumprir um dever.
Ter um livro para ler
e não o fazer!
Ler é maçada,
estudar é nada.
O sol doira sem literatura.
O rio corre bem ou mal,
sem edição original.
E a brisa, essa, de tão naturalmente matinal
como tem tempo, não tem pressa...
Livros são papéis pintados com tinta.
Estudar é uma coisa em que está indistinta
A distinção entre nada e coisa nenhuma.
Quanto melhor é quando há bruma.
Esperar por D. Sebastião,
Quer venha ou não!
Grande é a poesia, a bondade e as danças...
Mas o melhor do mundo são as crianças,
Flores, música, o luar, e o sol que peca
Só quando, em vez de criar, seca.
E mais do que isto
É Jesus Cristo,
Que não sabia nada de finanças,
Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa

quarta-feira, 7 de julho de 2010

V Feira do Livro MAIA

16.30h – Encontro/apresentação "A nuvem ou o sonho de ser almofada" de Cristina Bernardes – Infanto-juvenil e comunidade em geral.

Uma história encantadora sobre Oceana, uma nuvenzinha muito especial que tinha o sonho de se tornar almofada... No final, Oceana transforma-se na almofada de Serena, uma menina que vive num orfanato e que não tinha a sua própria almofada. Felizes, deixaram de estar sozinhas e passaram a ter-se uma à outra.
 

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Teatro: A Nuvem ou o Sonho de ser Almofada



A revista Visão (de 27 de Maio a 02 de Junho) divulga o teatro A Nuvem ou o Sonho de ser Almofada, que vai ser realizado pelos alunos do 1º ciclo do ensino básico do Colégio da Imaculada Conceição de Lamego, no Teatro Ribeiro Conceição de Lamego, nesta quinta-feira 03 de Junho à tarde.

Convidamos toda a comunidade a estar presente neste evento.

terça-feira, 25 de maio de 2010

CONVITE

A Papiro Editora, a Câmara Municipal de Baião e a autora Cristina Bernardes têm o prazer de convidar V. Exa. a estar presente na apresentação do livro Da Decadência À Regeneração - Jacinto e o Percurso de Auto-Descoberta em a Cidade e as Serras que terá lugar no dia 29 de Maio de 2010, pelas 21h30 no Auditório Municipal da Câmara Municipal de Baião, Praça Heróis do Ultramar, Campelo, Baião.

Apresentação da obra a cargo de Dra. Ana Lúcia Baptista e alunos do Colégio da Imaculada Conceição de Lamego.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Ave Maria

segunda-feira, 10 de maio de 2010

A Maior Flor do Mundo


domingo, 2 de maio de 2010

Amor-perfeito

Domingo é Dia da Mãe
E eu quero surpreendê-la
Logo pela manhã, ao vê-la,
E mostrar-lhe o meu amor
Entre gestos e enleios,
Com pureza e sem rodeios.

Já lhe comprei um livrinho
Que ela gostava de ler
E que eu fiquei a saber
Nas conversas de nós duas sobre leituras,
Momentos de cumplicidade e carinho,
De partilhas e tonturas, que loucuras!...

Mas também quero dar-lhe uma flor.

Entro na florista e anuncio com ardor:
- Queria uma flor para a minha mãe!
- Talvez uma rosa vermelha ou amarela...
- Não, não é uma flor para ela,
A rosa tem muitos espinhos
E minha mãe não os quer nos meus caminhos.
- Se calhar, uma açucena doce e perfumada...
- Também não, é bastante insegura e algo desmaiada.
- Bom, e as violetas? São flores selectas!
- Não, essas não! Parecem-me tristes e obsoletas.
Então, a florista diz, com voz agastada:
- Já não sei que flor possa ser adequada!
E eu disparo num lampejo, num segundo:
- Para a minha mãe,
Com todo o amor dentro do seu peito,
Um amor ímpar, assim tão profundo,
Só poderá ser um Amor-perfeito!

Lídia Valadares

segunda-feira, 26 de abril de 2010

O acto de ler - reflexão

"O acto de ler é em si mesmo uma maravilha.
O cérebro de cada novo leitor possui a extraordinária capacidade de se auto-organizar, para poder compreender símbolos escritos "

Maryanne Wolf

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Amanhã é o Dia Mundial do Livro

" A leitura de um bom livro é um diálogo incessante; o livro fala e a alma responde. "  

André Maurois

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Nunca é demais relembrar...

sábado, 3 de abril de 2010

Feliz Páscoa

segunda-feira, 22 de março de 2010

Para o dia Mundial da Poesia...

"Há uma música do povo"
(Fernando Pessoa)

Há uma música do povo,
Nem sei dizer se é um fado —
Que ouvindo-a há um ritmo novo
No ser que tenho guardado…

Ouvindo-a sou quem seria
Se desejar fosse ser…
É uma simples melodia
Das que se aprendem a viver…

E ouço-a embalado e sozinho…
É isso mesmo que eu quiz…
Perdi a fé e o caminho…
Quem não fui é que é feliz.

Mas é tão consoladora
A vaga e triste canção…
Que a minha alma já não chora
Nem eu tenho coração…

Sou uma emoção estrangeira,
Um erro de sonho ido…
Canto de qualquer maneira
E acabo com um sentido!

9/11/1928

domingo, 14 de março de 2010

Estreia Cinematográfica - Juntos ao Luar de Nicholas Sparks

Juntos Ao Luar
Nicholas Sparks
Título Original: Dear John
Tradução: Alice Rocha
Páginas: 268
Colecção: Grandes Narrativas Nº 335
PREÇO COM IVA: 18,00€
ISBN: 972-23-3663-5
Código de Barras: 9789722336635
Data de Publicação: 7 Novembro 2006

ESTREIA CINEMATOGRÁFICA - Nicholas Sparks
 Juntos ao Luar
A 25 DE MARÇO 2010
Quando pela primeira vez contemplam juntos a noite de lua cheia, John e Savannah sentem-se invadidos pela força inequívoca de um amor nascente, pela percepção de um futuro que acaba de ganhar forma e sentido nos seus corações jovens e expectantes. Mas a realidade não tarda a impor-se, precipitando uma vaga de acontecimentos que os coloca perante encruzilhadas de vida brutais. As longas separações e o peso quase insuportável da saudade impelem Savannah a tomar uma decisão difícil que irá mudar os seus destinos para sempre… No entanto, será a John que caberá a mais amarga de todas as decisões, aquela que ditará os seus futuros de uma forma irrevogável. Mas por mais dolorosa que seja, a escolha certa torna-se sempre nítida quando sabemos o que significa amar verdadeiramente alguém… Um romance soberbo, que nos traz Nicholas Sparks no seu melhor.

Nicholas Sparks é natural de Omaha, Nebraska. Cresceu em Fair Oaks na Califórnia e vive actualmente na Carolina do Norte com a mulher e cinco filhos.

FILME

• Realizador: Lasse Hallström (Chocolate, As Regras da Casa)
• Actores: Channing Tatum, Amanda Seyfried, Henry Thomas, Richard Jenkins, Scott Porter
• Produção: Relativity Media/ Sony
• Distribuidora: Castello Lopes Multimédia
• Ano: 2010

COMENTÁRIOS DE IMPRENSA ESTRANGEIRA

«Sparks domina a narrativa com total eficácia.»
Publishers Weekly

«Sparks explora sentimentalmente as personagens com o objectivo de influenciar o comportamento dos leitores.»
Booklist

COMENTÁRIOS DE IMPRENSA NACIONAL

«Nicholas Sparks é o senhor dos livros que vendem milhões. Em Portugal, tal como no resto do mundo, os seus livros não deixam os tops.»
Público

«Um dos autores mais lidos em Portugal e no mundo confessa a sua paixão pelas histórias reais.»
Jornal de Notícias

quinta-feira, 11 de março de 2010

Semana da Leitura em Mesão Frio

O Agrupamento de Escolas de Mesão Frio, inserido na Semana da Leitura, levou a cabo, na Escola EB 2,3/S Prof. António da Natividade, duas acções do seu projecto de promoção de hábitos de leitura “Um encontro, Um escritor”. Desta feita com os escritores Cristina Bernardes e Alexandre Parafita, dia 2 e 3 de Março, respectivamente.

Cristina Bernardes, escritora lamecense, é já uma presença constante na Escola EB 2,3/S Prof. António da Natividade. Foi novamente solicitada para, junto da comunidade escolar de Mesão Frio, promover o gosto pela leitura e pelos livros. “Nuvem ou o sonho de ser almofada”, de sua autoria, foi a obra literária usada pela escritora para suscitar o prazer da leitura aos presentes. Doutoranda em Ciências da Educação, em Pedagogia Social, a escritora Cristina Bernardes é, actualmente, Directora Pedagógica no Colégio da Imaculada Conceição, em Lamego e acredita no “fascínio das palavras” tal como acredita que “a herança mais valiosa que podemos deixar aos nossos filhos é uma educação de qualidade”. A missão do seu projecto educativo é “educar e formar cidadãos para o mundo”.

Alexandre Parafita, destacado escritor duriense, natural de Sabrosa, esteve também presente na Escola EB 2,3/S Prof. António da Natividade, em Mesão Frio, dando uma abordagem auto-biobibliográfica. Nas obras de Alexandre Parafita a presença da figura do Diabo é uma constante e, interpelado pelas crianças presentes pelo porquê do uso frequente desta figura nos seus livros, Alexandre Parafita explicou que “são figuras, engraçadas, ou não, que servem para captar a atenção das crianças para a história”. No decorrer do diálogo com os alunos da Escola EB 2,3/S Prof. António da Natividade Alexandre Parafita descreveu os métodos usados por si na elaboração das suas obras, sendo que a investigação junto das camadas mais idosas é o seu método preferencial “passo tarde a fio sentado, em cima de uma pedra, a conversar com idosos dos Lares, onde estes me contam estórias antigas”, afirmou o escritor. Também ele Professor do Ensino Básico no passado, Alexandre Parafita, explicou que escrevia para os seus alunos as suas próprias histórias “pois apercebia-me que as crianças preferias essas histórias que as que constavam dos manuais.” Bastante solicitado, o escritor de partilhou aos alunos do Agrupamento de Escolas de Mesão Frio o seu prazer pela leitura e pelos livros.

A presença dos escritores Cristina Bernardes e de Alexandre Parafita, decorreu inserida na Semana da Leitura do Agrupamento de Escolas de Mesão Frio. Este agrupamento, através da Biblioteca Escolar vem desenvolvendo ao longo do ano lectivo o projecto “Um encontro, um escritor” que tem sido o lema para a promoção de hábitos de leitura junto dos seus alunos e uma medida de combate ao insucesso escolar.

terça-feira, 9 de março de 2010

Que extraordinária Nascente descobriu o Gonçalo!

Já há muito que não dava notícias, mas desta vez tive de deixar um pouco o trabalho relegado para segundo lugar para vos falar de um livro que li e que acho que devo dar-vos a conhecer. Esta obra parece infantil, mas é uma leitura que pode muito bem ser lida por todos, seja qual for a idade. O autor é desconhecido nesta nossa zona, mas já vai ocupando lugar de destaque no panorama literário do nosso país, principalmente na área da literatura infanto-juvenil. Será, com toda a certeza, alguém de quem vamos ouvir falar. Veio à minha escola e encantou quem o ouviu e quem o viu desenhar. Este autor, ainda jovem, é escritor e ilustrador, mas não sei qual das facetas é a melhor. Os alunos adoraram as suas ilustrações, mas aquilo que escreve é de um sabor poético e de tal modo misterioso e naïf que a todos toca.
“A Nascente de Tinta” tem o seu herói, o Gonçalo. Gonçalo mergulha no Oceano e conhece criaturas marinhas espectaculares. É nessa altura que ele fica a saber do problema dos chocos que ficaram sem tinta e podem morrer. A única forma de os salvar é ir até a Ilha do Garfo e encontrar a Nascente de Tinta.
O Gonçalo decide lançar-se numa viagem contra o tempo e vai explorar lugares como o Reino das Letras, o Reino das Mãos, a Colina dos Desejos e o Deserto das Ideias. Ao longo desta viagem, o Gonçalo vai fazer amizade com personagens muito estranhas como a Formiga-Torrão e a perigosa Cobra-Escorrega. Vai viver aventuras extraordinárias, que nos vão ensinar a acreditar sempre em nós.
Gonçalo cresce todos os dias, vive no deserto das ideias e é muito solitário. Mas convido-vos a verem e a observarem as ilustrações que nos deixam extasiados e nos convidam a … sonhar!

Ah, já me estava a esquecer! Os meus alunos de nono ano leram o livro de Manuel Alegre, “Barbi-Ruivo, o meu primeiro Camões” e ficaram a gostar tanto que até apresentaram excertos na biblioteca, durante a semana da leitura. Convido-vos a ler, mesmo a alunos do 2º ciclo, porque está escrito numa linguagem acessível e os temas líricos e épicos são retratados de forma coloquial, para seduzir qualquer um.

É bom ler, é bom partilhar.

Isilda Lourenço Afonso

segunda-feira, 1 de março de 2010

Biblioburro...

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Amizade... para todos

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Convite

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Poesia... para descansar

Os pássaros nascem na ponta das árvores
As árvores que eu vejo em vez de fruto dão pássaros
Os pássaros são o fruto mais vivo das árvores
Os pássaros começam onde as árvores acabam
Ao chegar aos pássaros as árvores engrossam movimentam-se
Deixam o reino vegetal para passar a pertencer ao reino animal
Como pássaros poisam as folhas na terra
Quando o Outono desce veladamente sobre os campos
Gostaria de dizer que os pássaros emanam das árvores
Mas deixo essa forma de dizer ao romancista
É complicada e não se da bem na poesia
Não foi ainda isolada da filosofia
Eu amo as árvores principalmente as que dão pássaros
Quem é que lá os pendura nos ramos?
De quem é a mão a inúmera mão?
Eu passo e muda-se-me o coração

Ruy Belo
Via Fernando Silva

domingo, 24 de janeiro de 2010

Pedido de Desculpas

Queridos amigos e colegas,
quero pedir desculpas a todos vocês pela falta de tempo que me tem assolado e que não me tem permitido actualizar a Floresta das Leituras como realmente gostaria e como todos vocês merecem.

Um abraço cheio de carinho...

João Paulo II


segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Livros para Timor

O meu Amigo Francisco enviou-me este email a pedir livros para enviar para Timor...
Espero que possam colaborar e contribuir de alguma forma na divulgação da Língua Portuguesa.
 Eu, ainda hoje vou aos correios enviar a minha encomenda...
Bem-hajam a todos.

"Estou em Timor a dar aulas na UNTL (Universidade Nacional de Timor Leste) no âmbito de uma colaboração com a ESE do Porto.
Aquilo que vos venho pedir é o seguinte: LIVROS. Não vou dar a grande conversa que é para montar uma biblioteca ou seja o que for, porque não é. O que se passa é o seguinte: não sei muito bem como funcionam as instituições, nem fui mandatada para angariar seja o que for, mas o que é certo, é que sou (somos!) muitas vezes abordada na rua por pessoas que desejariam aprender português mas não possuem um livro sequer e vão pedindo, o que é muito bom.

O que é certo é que a minha biblioteca pessoal não suportaria tanta pressão e nem eu, nos míseros 50 quilos a que tive direito na viagem, pude trazer grande coisa para além dos livros de trabalho de que necessito.

COMO MANDAR?
Basta dirigirem-se aos correios e mandarem uma encomenda *tarifa económica* para Timor (insistam porque nem todos os funcionários conhecem este tarifário!) e mandam a coisa por *2,49 €.* Claro que a encomenda não pode exceder os *2 quilos* para poder ser enviada por este preço.

Devem enviar as encomendas para:

Joana Alves dos Santos
Embaixada de Portugal em Díli
Av. Presidente Nicolau Lobato
Edifício ACAIT
Díli – TIMOR-LESTE

E O QUE MANDAR?
Mandem por favor livros de ficção, romances, novela, ensaio, livros infantis etc., etc. Evitem gramáticas e manuais escolares. Dicionários, mesmo que um pouquinho desactualizados são bem vindos.

Este critério é meu e explico porquê. Alguns timorenses (estudantes e não só) têm a fixação de aprender gramática mas ainda não têm capacidades básicas de comunicação. Parece-me melhor ideia que possam ler outras coisas, deixar-se apaixonar um bocadinho pelas histórias, mesmo que não entendam as palavras todas, do que andarem feitos tolinhos a marrar manuais e gramáticas. O caso dos dicionários é outro; imaginem a seguinte situação: um aluno, por exemplo, usa um dicionário português/inglês para tentar adivinhar o significado das palavras. Como o inglês dele também não é grande coisa, imaginam a situação…

Bom, espero ter vendido bem o peixe do povo timorense. Falam pouco e mal mas na sua grande maioria manifesta simpatia pela língua portuguesa. De qualquer forma isto não vai lá (muito sinceramente) com umas largas dezenas de professores portugueses por cá. É preciso ter a língua a circular em vários meios e suportes. Espero que respondam ao meu apelo!!

Eu por cá andarei sempre com um livrito na carteira para alguém que peça!

Obrigado pela vossa ajuda."
Joana Santos via Francisco N.

domingo, 10 de janeiro de 2010

Reflexão - Um Sorriso


"É mais fácil obter o que se deseja com um sorriso do que com a ponta da espada."
William Shakespeare

domingo, 3 de janeiro de 2010

Os Pilares da Terra - Volume I

Sinopse: Na Inglaterra do século XII, Tom, um humilde pedreiro e mestre-de-obras, tem um sonho majestoso – construir uma imponente catedral, dotada de uma beleza sublime, digna de tocar os céus. E é na persecução desse sonho que com ele e a sua família vamos encontrando um colorido mosaico de personagens que se cruzam ao longo de gerações e cujos destinos se entrelaçam de formas misteriosas e surpreendentes, capazes de alterar o curso da história. Recheado de suspense, corrupção, ambição e romance, Os Pilares da Terra é decididamente a obra-prima de um autor que já vendeu 90 milhões de livros em todo o mundo.
 
A minha escolha para iniciar as leituras, em 2010, recaiu sobre um livro que me ofereceram no Natal: Os Pilares da Terra de Ken Follett - Volume I. Em pouco mais de uma semana, devorei este volume com avidez... e fiquei com imensa vontade de me agarrar ao segundo volume, o quanto antes... A história da construção de uma catedral pode não ser exactamente o que, a mim, me interessa no entanto todo o enredo deste romance histórico está construído com muita coerência, muita agilidade e subtileza em torno deste empreendimento. As personagens são, no geral, cativantes com traços relevantes que nos marcam e nos impressionam, tanto pela sua tolerância, pela sua generosidade, pela sua coragem, ou até mesmo pela sua malvadez. Mas isto é apenas o 1º volume... a minha opinião só poderá ser final aquando da leitura do 2º volume.

Estou ansiosa por me deliciar com ao resto da história.  

Data 1ª Edição: 18/07/2007
Nº de Edição: 10ª
ISBN: 978-972-23-3788-5
Nº de Páginas: 504
Dimensões: 150x230mm
País de Origem: Reino Unido

Biografia: Ken Follett, de nacionalidade britânica, é um autor extremamente popular, contando com cerca de 90 milhões de leitores no mundo inteiro. Embora se tenha tornado conhecido pelos seus thrillers – dos quais a Editorial Presença publicou já, na colecção «Minutos Contado», A Ameaça, foi Os Pilares da Terra que se tornou o seu maior bestseller. O Mundo Sem Fim promete, contudo, alcançar o mesmo sucesso. Traduzido em dezenas de línguas, atingiu os lugares cimeiros das tabelas de vendas logo após a sua publicação, tendo registado um total de 26 semanas de permanência entre os mais vendidos do The New York Times.

2010 / Leitura nº 1

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Feliz Ano Novo

Recomeça….
Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças…

Miguel Torga