terça-feira, 9 de março de 2010

Que extraordinária Nascente descobriu o Gonçalo!

Já há muito que não dava notícias, mas desta vez tive de deixar um pouco o trabalho relegado para segundo lugar para vos falar de um livro que li e que acho que devo dar-vos a conhecer. Esta obra parece infantil, mas é uma leitura que pode muito bem ser lida por todos, seja qual for a idade. O autor é desconhecido nesta nossa zona, mas já vai ocupando lugar de destaque no panorama literário do nosso país, principalmente na área da literatura infanto-juvenil. Será, com toda a certeza, alguém de quem vamos ouvir falar. Veio à minha escola e encantou quem o ouviu e quem o viu desenhar. Este autor, ainda jovem, é escritor e ilustrador, mas não sei qual das facetas é a melhor. Os alunos adoraram as suas ilustrações, mas aquilo que escreve é de um sabor poético e de tal modo misterioso e naïf que a todos toca.
“A Nascente de Tinta” tem o seu herói, o Gonçalo. Gonçalo mergulha no Oceano e conhece criaturas marinhas espectaculares. É nessa altura que ele fica a saber do problema dos chocos que ficaram sem tinta e podem morrer. A única forma de os salvar é ir até a Ilha do Garfo e encontrar a Nascente de Tinta.
O Gonçalo decide lançar-se numa viagem contra o tempo e vai explorar lugares como o Reino das Letras, o Reino das Mãos, a Colina dos Desejos e o Deserto das Ideias. Ao longo desta viagem, o Gonçalo vai fazer amizade com personagens muito estranhas como a Formiga-Torrão e a perigosa Cobra-Escorrega. Vai viver aventuras extraordinárias, que nos vão ensinar a acreditar sempre em nós.
Gonçalo cresce todos os dias, vive no deserto das ideias e é muito solitário. Mas convido-vos a verem e a observarem as ilustrações que nos deixam extasiados e nos convidam a … sonhar!

Ah, já me estava a esquecer! Os meus alunos de nono ano leram o livro de Manuel Alegre, “Barbi-Ruivo, o meu primeiro Camões” e ficaram a gostar tanto que até apresentaram excertos na biblioteca, durante a semana da leitura. Convido-vos a ler, mesmo a alunos do 2º ciclo, porque está escrito numa linguagem acessível e os temas líricos e épicos são retratados de forma coloquial, para seduzir qualquer um.

É bom ler, é bom partilhar.

Isilda Lourenço Afonso

1 comentário:

Cristina Bernardes disse...

Que bom ter a Isilda de volta por estas bandas... eu sei, eu sei, o trabalho tem sido avassalador para todas este ano...

Em relação a este livro, fiquei com água na boca... vou aconselhar e divulgar junto do departamento de Línguas no CICL e junto dos alunos.

Muito obrigado por mais uma recomendação de leitura de tão grande qualidade.

Beijos