domingo, 29 de março de 2009

Cartas de Amor de Grandes Homens

Sinopse: "A ideia para este livro surgiu com o filme "Sexo e a Cidade", onde aparece um livro romântico com cartas escritas por Beethoven, Byron e Napoleão. Essa colecção nunca existiu, mas as cartas eram genuínas. Agora já existe, e reúne algumas das cartas mais românticas alguma vez escritas, por homens como Mark Twain e Mozart, Robert Browning e Nelson. Para alguns, o amor é um delicioso veneno (William Congreve), para outros, uma mulher delicada e amável, num sofá à lareira, com livros e música (Charles Darwin). Às vezes o amor queima como o Sol (Henrique VIII), ou penetra no coração como gotas de chuva (Flaubert). Encontramos nestas cartas todas as "nuances" possíveis, desde a requintada eloquência de Oscar Wilde até à devoção simples de Robert Browning, passando pela tristeza, tão contemporânea, de Plínio, o Novo, que mergulha no trabalho para não pensar nas saudades que sente de Calpurnia, a sua mulher."
Num post anterior sobre o tema do Amor, a nossa cara Isilda falava deste livro devido a uma carta de Eça de Queiroz à sua esposa... Sendo apaixonada por este autor e confiando cegamente nas sugestões da Isilda, comprei, li de um só trago e ADOREI.
O livro tem uma qualidade estética fantástica, capa dura com título em relevo, romantíco e sóbrio no seu interior, Ursúla Doyle teve a excelente ideia de recolher num só livro, cartas fantásticas escritas a mulheres (como todas nós) por homens loucamente apaixonados.
A leitura deste livro é muito fácil e deliciosa, cada carta tem uma pequena biografia do seu autor que permite ao leitor situar-se no tempo. Recomendo vivamente a todos os que estão apaixonados... aos que não estão também...
Nota: 10/10

8 comentários:

Lili disse...

Olá, fiquei bastante interessada no livro. Obrigada pela excelente indicação ;)
Abs

Janna disse...

Tem um selo para vc no meu Blog BjOs

Susana Costa disse...

Ainda à dias estávamos a comentar sobre este livro , entre outros, porque era o livro que me encontrava a ler e estava a adorar.
Em algumas cartas, a forma como expressam o amor, nos dias de hoje, até parece estranho! Actualmente, o simples facto de se escrever uma carta de amor é estranho!
Existem as SMS, os e-mails, entre outros... mas pergunto: quem não tem cartas de amor em papel? Eu tenho e guardo-as com carinho pois retratam uma fase da minha vida muito feliz.
Por último, apercebi-me que anda a ler, o livro "Comer, orar, amar"(outro que também comentamos porque tinha sido uma aquisição minha, na altura)... realmente, não consegue resistir... AH!AAHHHH!!!
BOAS LEITURAS.

Cristina Bernardes disse...

Susana, sabe que eu não consigo resistir a boas sugestões de leitura...

isilda disse...

Já quando escrevi no dia de S. Valentim, eu abordei uma carta de Eça de Queirós que faz parte deste livro. É mesmo para ler e pensar como temos ainda muito para aprender com os nossos vultos da literatura.
Estas cartas ensinam-nos muito e muita gente deveria lê-las, não só por causa da linguagem como também para conhecer os valores de épocas em que as relações humanas eram verdadeiras!...

Isilda L. Afonso

Anónimo disse...

O sentido da palavra "AMOR" só significado quando esse amor é partilhado a dois, de outra forma torna-me um amor triste, cinzento e uma sensação de solidão que por vezes perde o sentido á vida.
Mas o “AMOR” é lindo, é algo indescritível só que não ama de verdade é que não sabe o verdadeiro sentido da palavra “AMOR”. É sentimento profundo que vai minando pouco a pouco o nosso coração e que se propaga por todo o nosso corpo, é também uma forma de podermos dar esse sentido á vida e de compreendermos os outros.
O amor para com os outros é a melhor forma de estarmos aqui.

HC

Anónimo disse...

Olá alguem poderia me dizer onde eu acho esse livro para comprar aqui no Brasil?
Obrigada

SP disse...

É lindo não é?
Adorei!