terça-feira, 24 de março de 2009

A Menina dos Olhos de Água

A propósito do Dia Mundial da Água, achei que vos devia fazer recordar este poema de Pedro Barroso. É pena não podermos acompanhá-lo com a música, mas as palavras falam por si; é uma balada doce e romântica, inspirada no movimento lento e calmo da água do rio.

Menina, em teu peito sinto o Tejo
e vontades marinheiras de aproar.
Menina, em teus lábios sinto fontes
de água doce que corre sem parar.

Menina, em teus olhos vejo espelhos
e em teus cabelos nuvens de encantar
e em teu corpo inteiro sinto o feno
rijo e tenro que nem sei explicar.

Se houver alguém que não goste
não gaste - deixe ficar
que eu só por mim quero-te tanto
que não vai haver menina p'ra sobrar.

Aprendi nos "esteiros" com Soeiro
aprendi na "Fanga" com Redol.
Tenho um rio grande o mundo inteiro
e sinto o mundo inteiro no teu colo.

Aprendi a amar a madrugada
que desponta em mim quando sorris.
És um rio cheio de água levada
e dás rumo à fragata que escolhi.

Se houver alguém que não goste
não gaste - deixe ficar ...
que eu só por mim quero-te tanto
que não vai haver menina p'ra sobrar.

Pedro Barroso, in álbum "Cantos da Borda d'água"

Via Isilda Lourenço Afonso

6 comentários:

Joana Pinto disse...

Isilda, adorei o poema, bem como a lembrança pelo facto de hoje ser o Dia Mundial da Água.A poesia consegue sempre unir palavra, sentimentos e importantes causas!

Maggie disse...

Gosto muito das canções do Pedro Barroso, sobretudo pela riqueza das suas letras. Esta é uma delas. Este autor maneja a língua portuguesa com sensualidade e força. Fantástico!

IsabelPreto disse...

Com sensibilidade e poesia se recordam as preciosidades da vida: a água é uma delas.
Obrigada pelo poema, também.

Janna disse...

Oi tem um desafio para vc no meu Blog

Janaína Moraes disse...

Olá, gostaria de saber se vcs recebem os livros ou os compram, se conhecem o skoob?

Bjos

Mari disse...

Lindo poema.
Extremo bom gosto!