terça-feira, 2 de junho de 2009

Ler e cruzar leituras é divertido!

São dois os livros que vos apresento, mas mais destinados aos nossos petizes! No entanto, os mais crescidos poderão lê-los, porque são histórias actualíssimas: uma que nos leva ao mundo da literacia (o que é preciso é começar a ler) e a outra, um pouco relacionada (à primeira vista não parece) com a primeira, pois sem informação, formação e reflexão que existem nos livros, o mundo irá perder-se, esgotar-se e não poderemos sobreviver no nosso planeta.

“A Menina que Detestava Livros”, era alguém que vivia numa casa riquíssima e bem recheada de livros, o que não era motivação para a leitura (nem sempre a abundância faz o leitor).
Em casa de Mina existiam pilhas e pilhas dos nossos maiores amigos. Tal como a menina, também o seu gato Max parecia detestar esses objectos que lhes ocupavam o espaço, a si e à sua dona.
Certo dia, Max subiu para um armário completamente atulhado de livros e Mina, na tentativa de o ajudar, trepou e, escorregando, caiu no meio de uma confusão de livros, livros e livros.
O espanto da menina foi imenso porque de dentro desses livros começaram a sair todas as personagens que compunham as histórias. Como não conhecia o conteúdo dos livros, Mina não era capaz de fazer com que ocupassem os seus lugares dentro dos livros.
Tendo como solução a leitura de cada livro, foi lendo e, em simultâneo, as personagens, voltaram aos seus lugares e tudo ficou arrumado como dantes.
Quando os pais voltaram, ficaram espantados, pois encontraram uma menina leitora.

E a outra história? Valéria é alguém (outra menina) que regressa ao seu vale, que era verde e, de repente, todos os seres aparecem a lamentar-se da sua triste e sufocante vida, devido aos maus tratos que os homens têm feito à água, ao ar, ao solo… Valéria decide que há que tomar medidas: escrever para todas as crianças de todos os países no sentido de estas se recusarem a tomarem determinadas atitudes e até ensinarem os seus pais a não cometerem erros que prejudiquem o mundo, ou seja, o planeta, onde eles querem viver no futuro.
Foi uma caminhada longa, mas que resultou. Quem dera que na realidade assim tudo se passasse! Contudo, não podemos cruzar os braços. Sem tomar atitudes drásticas, nada se consegue. “Valéria e a Vida” está actualíssima e nunca irá deixar de ser uma referência para os nossos filhos e professores. Dá-nos um “clic” para que possamos prevenir malefícios que poderão ser irreversíveis.

Por que motivo se podem relacionar? Enquanto a primeira nos quer incentivar de uma forma engraçada e divertida à leitura, a segunda mostra o poder da escrita, mesmo sendo de crianças. São elas que nos ensinam a ver o que não queremos ver muitas vezes. Foi devido às cartas escritas por todos que os problemas se resolveram (apesar da fantasia, do idealismo, acho que ainda é possível salvar a Terra).

A LEITURA E A ESCRITA SÃO ARMAS PODEROSAS.
Estes dois livros cruzam-se e completam uma díade tão necessária nos nossos dias: o poder das palavras e o que elas podem fazer por um planeta melhor, nem que seja, para já, um sonho.

Isilda Lourenço Afonso

3 comentários:

Lídia Valadares disse...

Adorei o comentário e, como já disse anteriormente, gosto imenso de passear nesta "floresta", preciso do "oxigénio" que aqui se respira...
Bem, por onde vou começar? Começo por sublinhar a expressão que empregaste: "nem sempre a abundância faz o leitor", pois concordo com ela plenamente. É preciso querer conhecer as personagens que povoam os livros, conviver, dialogar com elas. E, para se amar os livros é preciso, de facto, conhecê-los, saber o lugar certo das personagens.
Também saboreei a expressão: "A escrita e a leitura são armas poderosas". Indubitavelmente! E, para poder usá-las bem, é preciso dominá-las. Amá-las é um bom caminho para o seu domínio.
Obrigada pela partilha.
Um abraço.

Lídia Valadares

Cristina Bernardes disse...

Como a Lídia achei este comentário fabuloso. Não conhecia nehuma destas duas obras, pelo resumo que fez da primeira, lembrei-me de outra história que li há pouco com a Carol, em que as personagens também saiam dos livros e partilhavam as suas aventuras com a Anita... sim era um dos livros da colecção da Anita.

A Escrita e a Leitura são realmente duas armas poderosas... temos de aprender e ensinar a bem ler e a bem escrever... para não existir equívocos...

Obrigado Isilda por mais esta partilha.

Gleidston disse...

Com certeza é uma mais valia o curso, passar por esse canto maravilhoso é sem dúvida, informar-se,e obter um conhecimento á mais,parabens Cristina!

Uma otima 4f pra voce.

beijo.