domingo, 8 de março de 2009

Aceitar as mudanças e adaptar-se ao mundo!

Concluí a leitura de "O nosso iceberg está a derreter". Deixem-me dizer-vos que é uma autêntica parábola à mudança, ao espírito de observação, à união e ao espírito de comunidade.
Ao lermos e reflectirmos sobre os comportamentos destes pinguins aqui personificados, estamos a ver exactamente o que se está a passar à nossa volta. A crise social, com o desemprego, os efeitos da poluição, a pobreza, o tráfico de drogas e de pessoas... são os aspectos mais marcantes da nossa sociedade e que, ao ler o livro, me obrigaram a fazer a ponte. É urgente que nos unamos para a resolução destes espinhos. Eles estão ao nosso lado. Não os podemos ignorar.

O iceberg de que nos fala esta fábula, é o nosso planeta e os pinguins somos nós. Uns são os observadores, outros os críticos, outros os professores que se preocupam em abrir janelas nas mentes dos seus alunos para que também intervenham de forma construtiva. E outros são os "opinion maker" que só falam e pouco agem.

Se todos aprendessem a saber reflectir antes de agir, se todos se unissem quando há problemas a resolver numa comunidade, todos os problemas seriam resolvidos. E tudo vai da forma como se fala e se põe o ser humano a fazer uso das suas capacidades de adaptação e de mudança. Aconselho a leitura a todos os que neste momento têm de mudar de vida e, principalmente, a quem é educador. Foram dois aspectos marcantes, para além de outros, mas que sobressaem na tomada de decisões desta comunidade de pinguins.
No entanto, acabei a leitura de outro livro de Margarida Fonseca Santos e Maria Teresa Maia Gonzalez que vem na sequência do anterior e, por isso, decidi não apresentar os meus comentários independentes.
O título é "Um Pombo Chamado Colombo". Este livro é para crianças e jovens, mas toda a trama anda à volta de um pombo-correio que ficou desempregado por causa das novas tecnologias, lá num reino distante. Todo o cenário é composto de personagens da realeza, à mistura com vocabulário dos nossos dias e a perplexidade dos pombos daquele reino ao ouvirem as belas histórias do pombo-correio Colombo, quando o despediram do palácio. Foi o trabalho que conseguiu - contador de histórias. Maravilhava todos os outros e, com essas histórias, vários são os valores humanos presentes. Torna-se um discurso cómico, porque as narradoras utilizam um vocabulário muito próximo da linguagem dos jovens com os aspectos mais recentes da tecnologia e brincando com os nomes das pessoas. Ora reparem: a ilha era Malu-ka; a praça principal chamava-se Praça do Pombal do Marquês; o rei, Mandu-Ka Rex; a rainha, Ek-Manda; o primeiro-ministro, Manda-Lá; um dos conselheiros, era o Velho Sabe-Lá; os filhos do rei, Telex, Cibernex, Comilex, Spidex, Sem-Nex, Sabichex, Metalex, Calmex, Karatex e Belex (e todos bem adequados); os pombos - o Pombástico, o Ecopombo, a Pômbola, a Pombalina, o Pomposo, o Tombo...
Bem, convido-vos a ler e a divertirem-se com os vossos filhos, alunos, colegas, sobrinhos, etc. Mas há muitos aspectos culturais que os jovens aprendem de forma lúdica e que os pode levar à pesquisa. Tem todos os ingredientes para motivar para a leitura, mas também para reflectir.

Viajem com o Colombo, divirtam-se e ponham os outros a divertir-se.

3 comentários:

Cristina Bernardes disse...

Isilda, sabia que ia gostar e que o seu comentário iria ser de reflexão sobre a vida, o mundo que nos rodeia. Não conhecia o outro livro que refere mas parece-me interessante... para quem quiser saber mais sobre este livro:

http://florestadasleituras.blogspot.com/2009/02/o-nosso-icebergue-esta-derreter.html

Lídia disse...

Isilda:

Eu quero viajar com o Colombo e ir até à colónia dos pinguins. Relativamente ao comentário que fizeste à comunidade dos pinguins, gostei imenso, mas adorei o 3º parágrafo. Meu Deus, que retrato social! Perfeito.
Quanto ao 2º livro, já estive com ele na mão, mas não o comprei, porque... qualquer dia tenho que pedir um empréstimo!... Cada vez que entro numa livraria é um rombo no orçamento!Mas, está visto, depois do teu comentário, quem resiste? Lá vou eu voar com o Colombo! Gosto imenso dos diálogos que estabeleces com as leituras que fazes e da arte que tens para nos conduzires até elas.
Tens toda a razão, é necessário observar, reflectir, inovar mentalidades e atitudes e desenvolver um espírito cooperativo.
Um abraço.

Lídia Valadares

Margarida Fonseca Santos disse...

E a mim só me resta agradecer as palavras que o nosso Colombo mereceu... Nós divertimo-nos e emocionámo-nos a escrever os três livros. Muito obrigada!